Há um ano e meio, tenho acompanhado o trabalho do MST no município de Iaras, interior de São Paulo. Não sou formado em jornalismo, mas tenho na fotografia um hobby e sempre que posso acompanho as mobilizações dos movimentos sociais em geral, inclusive tenho fotos das últimas mobilizações do 8 de março, da marcha da consciência negra, e das ações do MST aqui na região. Sempre passei as fotos gratuitamente para os movimentos que me pediam e sempre tenho tentado colocar as fotos do MST na mídia local ?pequenos jornais de cidades também pequenas.

Sempre que estou na cidade, procuro acompanhar as reuniões da Câmara Municipal. E desde a primeira reunião tenho feito algumas coberturas fotojornalísticas das reuniões de uma forma a mostrar para os vereadores da cidade que existe gente de olho no que eles estavam fazendo.

Inclusive havia um rapaz que também filmava todas as reuniões da Câmara para uso de um partido político.

Para minha surpresa essa semana cheguei na cidade e não me permitiram fotografar na Câmara Municipal. Pois informaram que haviam feito um Ato da Mesa Diretora proibindo tal prática (fotografia e filmagens). Desde que fosse feito pela imprensa e com autorização prévia do presidente da Câmara.

Sei que é difícil ir contra os vereadores do PPS, PTB e PP que compõem a Mesa Diretora da Câmara Municipal aqui de Iaras, mas sei também que esse fato é anticonstitucional, mas estou procurando um advogado para garantir esse direito não só a mim, como também a qualquer cidadão aqui do município.

Vou colocar aqui no site as três páginas do Ato da Mesa e assim que conseguir o vídeo do rapaz do PV que estava filmando e foi expulso da Câmara assim que leram o Ato. Assim que pegar o vídeo com ele, vou colocar no youtube para que todos possam ver.

O Município de Iaras fica a cerca de 280km da capital paulista, tem cerca de 5 mil habitantes, sendo 1/3 dessa população de assentados da Reforma Agrária. Esse Ato da Mesa proíbe inclusive a presença de cidadãos de chinelos acompanhando as reuniões. Num município pobre como o nosso isso também é um ato de discriminação aos mais pobres.