Ola Adriana,

Essa carta será enviada a curadores, artistas, estudantes, ativistas no Brasil e no mundo.

A edição número 26 do Canal Contemporâneo anunciou a abertura da sua exposição no dia 18 de março na Fundação Cartier  http://www.fondation.cartier.com/ –“Chambre d'echos”.

A sua exposição me pareceu uma boa oportunidade para escrever sobre os Ecos que não foram ouvidos pela Cartier SA e suas maiores concorrentes a Bulgari S.p.A., Montres Rolex S.A. e Tiffany & Co. (TIF) .

Quero também aproveitar a oportunidade para me apresentar - sou uma artista que “envia mensagens não comerciais a ambientes capitalistas”.

 http://wwp.greenwichmeantime.com/clocks-watches/watch/watches/cartier/history.htm
A Fondation Cartier pour l'art Contemporain foi fundada em 1984 por Alain Dominique Perrin, presidente da Cartier SAA and Cartier International como uma “prova de sua determinação em introduzir a Cartier o mais rápido possível ao século 21, através da criação de parcerias com artistas vivos.” A Cartier por sua vez, é parte do grupo Suíço Compagnie Financière Richemont através da subsidiária Vendome, um dos maiores grupos de artigos de luxo do mundo. A marca registrada Cartier compreende jóias, relógios, perfumes, artigos de couro, vestuário e assessórios e são distribuídos mundialmente.

Senti necessidade em lhe escrever por que encontrei um comentário seu com o qual me identifiquei muito, você disse:
...e, como em minhas ficções, eu nunca sigo a linha da história oficial...

Adriana, você sabia que a “Mineração de ouro"  http://ga0.org/campaign/goldval05
é um dos negócios mais sujos no mundo atualmente? Ela é responsável pela contaminação das reservas de água potável, pelo deslocamento de comunidades locais, e por destruir as formas tradicionais de subsistência em muitas partes do mundo”. Mais de oitenta por cento do ouro produzido no mundo é usado na produção de jóias e a maioria dos joalheiros não monitoram as origens do ouro que compram, ou as condições em que é produzido. O restante é usado por celulares, computadores e componentes eletrônicos. Além do ouro, diamantes tem gerado conflitos em Angola, na República Democrática do Congo, Libéria e Serra Leone, e contribuem para a morte e o deslocamento de milhões de pessoas. Um outro agravante é o fato de que entre 1995 e 2015, aproximadamente a metade do ouro produzido no mundo veio de terras indígenas.

Não lhe parece muito importante que os ecos de toda essa tragédia associada à construção do império da indústria de jóias sejam ouvidos?

"O nosso povo tem sofrido espancamentos, prisões e assassinatos ao tentar defender os direitos de nossa comunidade contra as empresas de mineração multinacionais”, disse Daniel Owusu-Koranteng, um ativista de mineração da região de Tarkwa em Ghana onde 30.000 pessoas foram deslocadas pela mineração de ouro entre 1990 e 1998.Gana no período colonial era conhecida como a Costa do Ouro. Hoje Gana é o segundo maior produtor de ouro depois da África do Sul.

 http://publique.rdc.puc-rio.br/clipping/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=7545&sid=74&tpl=printerview
E você completa:
..."qualquer encontro na vida é violento por si mesmo". Quanto mais, o de culturas.

Isso é uma constatação sua ou algo em que você acredita?

Você se encontra numa posição privilegiada sendo a única artista brasileira que irá ter uma exposição individual de arte contemporânea a integrar a programação de eventos do "Ano do Brasil na França – 2005. Você é considerada internacionalmente como uma artista excepcional. Isso a coloca numa posição forte para defender questões, ter visibilidade e ser ouvida.

Adriana, um elemento importante para o sucesso da Cartier no século 21 é a sua associação com artistas contemporâneos.

Acredito que se nos recusarmos a colaborar com esse grupo estaremos dando passos concretos para alterar o curso da história dissolvendo de uma vez por todas os ecos de dor que vão pelo mundo.

Qual é a sua postura diante desses fatos?

Um abraço
Ana Amorim
Cartas ao Sistema de Arte  http://questoes.blogs.com/cartas_ao_sistema_de_arte/

*A tempo, ao pesquisar material para essa carta encontrei um relatório recente (2005) muito interessante, Parfum de Scandal  http://www.greenpeace.org/france_fr/multimedia/download/1/739724/0/parfum_de_scandale.pdf
um estudo encomendado pelo Greenpeace sobre a composição química de 34 perfumes.